PUBLICIDADE

BRT até 53% mais rápido na avenida Cruz Cabugá

Os veículos do sistema BRT do Corredor Norte-Sul tiveram ganhos após a proibição dos giros à esquerda da avenida Cruz Cabugá em direção à avenida Norte, iniciada em 30 de julho. No horário de pi­­co da manhã, das 7h às 9h, a ve­­locidade média do modal passou de 7,53 km/h para 11,52 km/h (+53%). No pico da tarde, das 17h às 19h, o incremento foi de 14,5% - passou de 10,15 km/h para 11,62 km/h. É pouco e está longe do ideal, mas, segun­­do o Grande Recife Consórcio de Transporte (GRCT), representa um avanço e tanto quando se leva em conta que, em horários mais críticos, a velocidade média ficava perto de 5 km/h. A solução seria uma faixa exclusiva, ainda sem previsão.

As mudanças foram implantadas pela Secretaria de Mobilidade e Controle Urbano (Semoc). Em vez dos gi­­­ros à esquerda, passaram a valer giros de quadra. Quem usa o transporte diz que tem notado a diferença. “Pego os ônibus do terminal Pelópidas (Silveira) ou de Igarassu e te­­­nho ganhado uns minutos”, diz a professora Lourdes Ventura, 67 anos. “Depois que deixaram a pista só indo em frente, sem poder virar à esquerda, ficou mais rápido”, conta o funcionário público Aureliano Alves, 60, que desembarca, todos os dias, perto da Vice-Governadoria.

O diretor de operações do GRCT, André Melibeu, classifica o aumento da velocida­­­de média como razoável. “Em­­­bora ainda não se tenha segregado uma faixa na Cabu­­gá, que é o trecho mais crítico, ter um ganho ali impacta positivamente as viagens. Foi extremamente importante porque beneficiou, sobretudo, o transporte. Ganhar velocidade na Cabugá é essencial para o sistema”, avalia.

Melibeu crê que o ganho foi menos expressivo no fim da tarde porque, diferentemente do fluxo pela manhã, o gargalo ocorre do Complexo de Salgadinho em direção a Olinda, depois do cruzamento com a avenida Norte. “Pela manhã, a maior parte dos con­­dutores não está com desejo de ir até o fim da Cruz Cabugá. Então, se dispersa mais. Já na volta, todo mundo quer ir até o fim da Cabugá, que é onde congestiona”, esclarece.

Ganhos mais expressivos na Cruz Cabugá, afirma o GRCT, só com faixa exclusiva, como há no restante do Norte-Sul, onde o BRT chega a atingir 27 km/h de velocidade média. Mas, segundo a Prefeitura, não há previsão de tirar a medida do papel, já que são necessários alargamentos em pontos da avenida e no trecho entre as ruas dos Palmares e da Saudade, em Santo Amaro. “É algo que requer intervenções físicas que ainda não foram feitas”, diz a presidente da Companhia de Trânsito e Transporte Urbano (CTTU), Taciana Ferreira.

A gestora, porém, lembra que a retirada dos giros à esquerda no cruzamento Cruz Cabugá-Norte buscou beneficiar não só o BRT, mas também linhas convencionais. Ela acrescenta que a elimina­ção de outros giros, desta vez, na avenida Norte, nos próximos meses, também deve impactar os ônibus. “Temos visto onde podemos melhorar a circulação, privilegiando o transporte público.”

 

Fonte: Folha de Pernambuco

PUBLICIDADE