Belo Horizonte (MG)

A Rede de Transporte Público de Passageiros de Belo Horizonte abrange o sistema de transporte coletivo por ônibus, gerenciado pela BHTrans, e a linha do metrô, administrada pela Companhia Brasileira de Trens Urbanos. São 5 estações de integração ônibus-metrô implantadas ao longo do itinerário do metrô, que possibilitam a integração física e tarifária entre os dois modos. Esse sistema é responsável por 3,8 milhões de viagens diariamente realizadas (BHTRANS, 2011).

Os projetos de BRT são parte do PlanMob-BH, que será gradualmente implantado nos próximos 9 anos e visa alcançar uma divisão modal sustentável, ou seja, diminuição das viagens por automóveis privados e aumento das viagens por modos não motorizados.

O PlanMob-BH compreende vários corredores de BRT, que serão implantados nos próximos anos. A princípio, 4 projetos serão concretizados. Esses corredores visam, ao mesmo tempo, melhorar a mobilidade das populações nas regiões norte e nordeste da capital mineira e também conectar eficientemente o centro da cidade ao estádio Mineirão, tendo em vista que a cidade é sede da Copa do Mundo de 2014.

Operação

Os corredores serão posicionados junto ao canteiro central e serão de uso exclusivo dos veículos ônibus. Neles irão operar linhas expressas, semi expressas e paradoras.

A cobrança da tarifa nos corredores será feita antes do embarque em estações fechadas, o que reduzirá o tempo de espera dos veículos nas estações, pela maior celeridade no embarque dos passageiros. Todavia, o controle semafórico nos corredores não foi ainda projetado.

O Centro de Controle e Monitoramento será responsável pelo controle dos horários das viagens nos terminais, supervisão da operação das linhas, entre outras atividades de inspeção operacional.

Para os usuários, serão oferecidos serviços de informação eletrônica, com dados sobre horários de chegada e saída dos veículos, destino das viagens, entre outras.

Integração

Nos corredores, a integração com os modos não motorizados ocorrerá com a implantação de ciclovias ao longo do corredor e com a construção de bicicletários nos terminais de integração, exceto no Corredor da Área Central. Apenas nos corredores Carlos Luz-Pedro II e Cristiano Machado não estão previstos os tratamentos das calçadas ao longo do corredor.

Aspectos ambientais

Estudos de Impacto Ambiental foram elaborados para todos os corredores. Ademais, os veículos irão operar com diesel e biodiesel, conforme as determinações do Proconve Fase 7. Com a otimização na operação das linhas, redução do tempo de viagem, redução do consumo de combustível e a previsão de migração dos usuários do transporte individual para o coletivo, estima-se que haverá redução de emissão de poluentes no meio ambiente.